Meu produto é orgânico, mas não sou certificado

Está sem tempo para ler? Disponibilizamos abaixo um player para você ouvir e ficar atualizado sobre o assunto.

Você, produtor de alimentos orgânicos, entende mais do que ninguém os desafios desse sistema de produção: aspectos ambientais, sociais e culturais são levados em consideração, o que eleva o nível de dificuldade na produção em larga escala. 

Agora imagine que você toma todos os cuidados necessários e, ao mesmo tempo, fraudadores são tão ousados a ponto de comprar alimentos em distribuidoras, reembalar e revender como orgânicos. 

A pergunta é: como o consumidor distinguirá o produto verdadeiramente orgânico de um “falso orgânico”?

Em 2016, o Fantástico exibiu uma reportagem em que acompanhou alguns desses fraudadores que se aproveitam da boa fé dos consumidores para faturar em cima de um mercado que cresceu 98% só entre 2009 e 2014, segundo dados da consultoria Euromonitor.

O melhor meio para assegurar ao consumidor que o seu alimento é orgânico e se diferenciar dos demais é através da certificação. Se você ainda não é certificado fique atento: esse post vai lhe contar tudo o que você precisa saber para garantir a credibilidade da sua produção.

Como distinguir um produto verdadeiramente orgânico de um “falso orgânico”?

Os “falsos orgânicos’ tem gerado bastante preocupação em todo o mundo: segundo o portal de notícias Fresh Plaza, por exemplo, U$6 milhões em abacaxis de produção convencional foram comercializados como orgânicos nos Estados Unidos.

Com todos esses casos de fraude, o consumidor precisa de alternativas para identificar se o produto é verdadeiramente orgânico. 

De acordo com uma pesquisa realizada pelo Conselho Brasileiro da Produção Orgânica e Sustentável (Organis), 95% dos consumidores que identificaram o selo orgânico relataram que a certificação teve influência na decisão de comprar o produto e 86% consideram que o selo de produto orgânico é mais confiável que outras fontes de informação.

A falta de fiscalização tem sido a principal razão para provocar essa situação de competição econômica desleal, levantando no consumidor a desconfiança no produto que está adquirindo. 

O que o movimento orgânico quer é implantar mecanismos de monitoramento, acompanhamento e informação ao consumidor. 

Apenas o MAPA (Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento) pode tirar os falsos agricultores do comércio, mas faltam fiscais. Além disso, segundo o IBGE (Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística), dos 90 mil produtores brasileiros que se autodeclaram orgânicos, apenas 22 mil são regularizados

Ou seja: apesar da falta de fiscalização, ainda há muito a fazer para garantir a confiabilidade dos seus produtos.

Dentre os fatores que levam um cliente a comprar um produto, estão os aspectos físicos, confiabilidade, presteza, segurança e empatia. A confiabilidade vem em primeira posição, com 32% de relevância. Isso significa que ser ou não ser confiável faz diferença para conquistar novos mercados.

Com todas essas informações, você já entendeu o quão importante é fazer com que o consumidor tenha consciência da confiabilidade do seu produto orgânico. O objetivo é que não sobre espaço para aproveitadores.

Você deve estar se perguntando: o que fazer para se regularizar e trazer informações ao consumidor? Pensando nisso, listamos 4 passos para você abrir os olhos dos seus clientes.

Faça a sua parte: 

1 – Certifique a sua empresa

Produtores não certificados precisam se inscrever no Cadastro Nacional de Produtores Orgânicos, em que receberão a Declaração de Cadastro de produtor orgânico familiar do MAPA para venda direta sem selo. Já no caso de certificação, a certificadora é a responsável pela inclusão da empresa no Cadastro Nacional.

Isso quer dizer que sem a certificação o produtor não é autorizado a comercializar seus produtos para outras empresas, como supermercados, por exemplo. A venda se restringe a feiras (direto ao consumidor) e compras do governo (merenda e CONAB), o que diminui bastante as oportunidades de mercado.

A Certificação de Orgânicos passou a ser exigida pelo MAPA em 2009. Certificar a sua produção é o primeiro passo se você tem como objetivo melhorar a prática da cultura, do produto e assim ganhar destaque no mercado nacional e internacional. Vai além de agregar um maior valor ao seu produto, já que envolve também o desenvolvimento dos colaboradores e atendimento aos seu clientes.

Apenas dizer que o seu produto é orgânico é coisa do passado, o desafio agora é provar! Mostre ao seu consumidor que você é certificado e use esse fator de confiabilidade ao seu favor. 

Se você ainda não é certificado, não deixe de conferir os primeiros passos para a certificação de produtos orgânicos.

Atenção! Produtos que passaram por embalamento e processamentos devem apresentar o selo federal do SisOrg, que fica impresso na embalagem. Produtos exibidos em loja sem o selo deverão ser apreendidos e a loja será avisada por escrito. 

Meu produto é orgânico, mas não sou certificado
Selo federal do SisOrg para produtos orgânicos.

Se o produto sem selo está na embalagem original, o responsável é o produtor. Agora, se a embalagem é do mercado ou o produto é a granel, tanto o produtor quanto o ponto de venda responderão pela irregularidade.

E todos devem se certificar: quem compra matéria-prima orgânica de terceiros também precisa ter a certificação. Não é porque o morango é orgânico que a geleia dessa fruta será orgânica também, certo? Os industrializados só são considerados orgânicos se tiverem mais de 95% dos ingredientes de origem orgânica em sua composição

2 – Converse com outros produtores

Muito se fala sobre a fiscalização oficial ser insuficiente, mas pouco se faz para ajudar nesse processo. A auto-fiscalização entre os produtores é fundamental para quem realmente está interessado em oferecer produtos de qualidade. 

Então não esqueça: Informe-se sobre as credenciais de outros produtores, denúncias são essenciais para eliminar casos de fraude e podem ser realizadas anonimamente através do Canal de Ouvidoria

Além disso, se um cliente perguntar se você conhece algum outro produtor de confiança, é importante que você se relacione com mais profissionais para indicar empresas qualificadas.

Sem falar na troca de experiências: compartilhar informações é essencial para garantir o objetivo maior de cuidado com o alimento e saúde do consumidor. O conhecimento de uma empresa somada ao conhecimento de outra resulta no crescimento de ambas.

3 – Consulte o Cadastro Nacional de Produtores Orgânicos

Dica de ouro: Saiba que o MAPA possui uma lista com os produtores orgânicos cadastrados em todo o Brasil. Basta fazer o download e procurar pela empresa desejada.

4 – Forneça informações ao consumidor

Os consumidores de orgânicos são bastante diversificados: alguns já consomem esses produtos desde sempre e consequentemente sabem diferenciar o orgânico do convencional pelo tamanho e aparência e, outros, estão iniciando o consumo somente agora. 

O seu papel é fazer com que todos tenham as informações necessárias para escolher o seu produto! Garanta com que o consumidor reconheça o seu alimento orgânico nos pontos de venda e estimule a sua participação no controle de qualidade.

Ter o selo orgânico na embalagem é um requisito, mas somente o selo não é o suficiente. Grande parte da população está conectada nas redes sociais, então por que não divulgar o seu produto por esse meio também? 

Gere um conteúdo que faça a diferença! Não economize na criatividade, dê sugestões práticas que fazem parte do seu cotidiano. Esse tipo de atitude faz com que a sua marca ganhe autoridade no segmento. As pessoas vão seguir a sua empresa não somente para comprar o seu produto mas por você ser referência no assunto.

Meu produto é orgânico, mas não sou certificado

Além disso, não deixe de participar da Semana de Orgânicos através da Campanha Nacional “Produto Orgânico – Melhor para a Vida” do MAPA: são realizadas atividades presenciais em praticamente todos os Estados do Brasil, trazendo informações sobre os cuidados, direitos e obrigações que os produtores, consumidores, processadores e comerciantes devem ter para garantir que as pessoas estejam consumindo um produto verdadeiramente orgânico.

Apesar de existir um grande número de produtores que se autodeclaram como orgânicos, apenas uma parcela é regularizada. Este é um fato preocupante pela existência de aproveitadores que querem lucrar nesse segmento sem realmente fazer parte dele.

É verdade que deveria existir um maior número de fiscais para garantir o cumprimento da legislação, mas isso não significa que cada um não deva fazer a sua parte e você já viu que pode fazer muito! 

Trocar experiências com outras empresas e informar o seu consumidor são apenas algumas das formas para se destacar. 

Nem todos têm a sua produção certificada ainda e, levando em consideração que esse mercado está em expansão, a falta da certificação significa estar a um passo atrás dos demais produtores.  Para empresas que buscam relevância e são comprometidas com a qualidade dos seus produtos é importante investir, afinal a confiabilidade do seu alimento é o que fideliza os clientes

Por isso, não se engane: orgânico só se for regularizado e certificado! Fale com um de nossos especialistas e veja como iniciar o processo de certificação da sua produção de orgânicos.

Meu produto é orgânico, mas não sou certificado

Deixe o seu comentário

Artigos Relacionados

  • PariPassu

    Como aumentar a produtividade na Agricultura Orgânica?

    continue lendo
  • PariPassu

    Nota Fiscal Eletrônica será obrigatória também para produtores rurais

    continue lendo