fbpx

5 pontos de atenção para o Controle de Qualidade de alimentos vegetais!

Sem tempo para focar na leitura? Escute esse post na íntegra clicando no player abaixo. Saiba mais sobre o Controle de Qualidade de alimentos!

As gôndolas com alimentos podres, maturação avançada ou defeitos, além de afetar diretamente no indicador de perdas, impactam diretamente a imagem da marca.

Segundo a 18º Avaliação de Perdas no Varejo Brasileiro de Supermercado, da ABRAS (Associação Brasileira de Supermercados) o setor de FLV (frutas, legumes e verduras) lidera as perdas no varejo, com 5,97% do total.

A pesquisa aponta uma queda de 0,28% nas perdas entre 2017 e 2018, essas ainda correspondem à 1,99% do faturamento líquido dos supermercados, um total de R$ 6,4 bi de perdas sobre faturamento bruto no setor.

Por isso, vamos compartilhar com você um pouco do nosso conhecimento, pois atuamos em mais de 90 redes de varejo no Brasil. Para te ajudar a implantar melhorias no varejo. Veja: 5 pontos de atenção no Controle de Qualidade de alimentos vegetais.


1. Promova a comunicação interna!

Em muitos supermercados, o padrão de qualidade de entrega esperado entre os setores de compra, recebimento e operação nas lojas são diferentes. Por isso é fundamental um documento padrão ou a ficha técnica.

A ficha técnica é um documento realizado na empresa com os parâmetros e especificações aceitáveis de defeitos de cada produto ou alimento. Melhora o controle de qualidade do alimento, facilita a comunicação interna, com mais segurança e agilidade nos processos.

Também, é importante incluir nas fichas técnicas as informações sobre a sazonalidade dos produtos, para facilitar o reconhecimento de padrões à equipe, que realiza as inspeções de recebimento e o Controle de Qualidade dos Alimentos vegetais.

Lembre-se! Se um produto no estoque, estiver fora dos padrões determinados. Com a ficha técnica é possível identificar cada produto que foi entregue na loja, e recebido de acordo com os parâmetros ou não.

As informações estabelecidas nas fichas técnicas, devem ser padronizadas e divulgadas amplamente, entre os setores de compra, recebimento e operação dentro das lojas. Assim, identificaram as falhas rapidamente!


2. Acompanhe seus fornecedores.

È importante comunicar os parâmetros de qualidade para à equipe do supermercado, e também informar os fornecedores. Pois, a reprovação de uma carga que chega no seu estoque, ou central de distribuição. Traz inúmeros transtornos e prejuízos ao varejo e ao fornecedor.

Uma divulgação clara dos parâmetros de qualidade esperados pelo supermercado reduz o número de devoluções, ou seja, o recall. O envio de um relatório com fotos, os resultados detalhados da inspeção e os motivos da reprovação de uma carga, como o modelo abaixo.

È fundamental, para facilitar o entendimento destes parâmetros pelos fornecedores, colaborando para que eles cumpram o seu padrão de qualidade.

relatório-clicq
  • As informações completas como na imagem acima, será um guia para o o fornecedor redobrar a atenção e o cuidado ao montar uma carga que será enviada para a loja.


3. Invista em Rastreabilidade.

Implantar a rastreabilidade dentro do supermercado, vai além do atendimento à Instrução Normativa 02. Ter um código de rastreabilidade único, possibilita identificar cada produto, promove a organização dos produtos dentro do estoque e facilitará a classificação dos seus fornecedores.

Pois, no caso de devoluções, através do código consultado é possível identificar rapidamente a origem produtiva, ou seja, o fornecedor. AS informações de rastreabilidade, permitem classificar a qualidade dos produtos ou fornecedores a cada entrega.

No gráfico abaixo, podemos ver um ranking com o percentual de defeitos total por fornecedor.

ranking-de-fornecedores

Neste exemplo, fica claro que o Fornecedor 1: entrega um alto percentual de produtos com defeitos graves e críticos. Pois o percentual total de defeitos nos produtos entregues é maior, quando comparado aos demais.

Os indicadores como este, aliados à um painel colaborativo com informações com um histórico detalhado sobre a conformidade de cada produto, permitem que o time de compras conheça melhor os fornecedores.

Assim, é possível analisar quais são os níveis de qualidade já são atendidos, além de ter em mãos informações úteis para a negociação de preços, por exemplo.


4. Preocupe-se com a Prevenção de Riscos.

Conheça o seu fornecedor e busque garantir que ele tenha a capacitação necessária, para atender a sua demanda. Incentive que os seus fornecedores estejam de acordo com as normativas e legislações do setor, buscando a melhoria contínua e aperfeiçoamento.

As notícias sobre supermercados penalizados por comercializar produtos com o limite de resíduos de agrotóxicos, fora dos padrões determinados por lei, comprovam como a falta de uma prevenção de riscos impacta diretamente o faturamento de um supermercado

Por isso, o acompanhamento próximo dos fornecedores por meio de auditorias, por exemplo, pode prevenir este tipo de medida. Aposte em desenvolver a cadeia de fornecedores, incentive-o a manter o alto padrão no o Controle de Qualidade de alimentos em todos os processos da cadeia produtiva.

5. Exponha de maneira certa.

Um controle de qualidade de alimentos com alto padrão de excelência, além de garantir a padronização da inspeção e identificar inconformidades é também um propulsor de vendas.

Os Estudos apontam que 50% dos consumidores satisfeitos com a qualidade da oferta de frutas, legumes e verduras frescas, comprarão com mais frequências e gastarão mais a cada visita nas lojas, além de indicar para outros consumidores.

Mas, é muito importante alertar o consumidor referente ao período de sazonalidade dos alimentos. Assim, evita a sua frustação ao não encontrar no supermercado as frutas, legumes e verduras desejados.

As informações sobre a sazonalidade devem estar, junto aos dados de rastreabilidade (geolocalização das origens do produto). Assim, o consumidor consegue identificar, com mais agilidade quais são os produtos mais frescos expostos nas gôndolas, facilitando suas compras.

Pois, as Redes que já apostam neste tipo de campanha para promover a comunicação e transparência com o consumidor, percebem uma melhora na imagem da marca por parte dos clientes.

Sabemos que manter um alto padrão de qualidade nos produtos perecíveis não é tarefa fácil. Por isso, parametrizar os níveis de qualidade e saber quais são os pontos críticos neste processo, contribuem para o Controle de Qualidade de alimentos mais seguro e eficiente!


Quer receber dos nossos especialistas um diagnóstico grátis do processo de qualidade do seu varejo? Clique aqui!

Marina-Rojas

Deixe o seu comentário

[fbcomments]

Artigos Relacionados

  • PariPassu

    Decreto nº 10.468: o que a indústria de alimentos precisa saber

    continue lendo
  • PariPassu

    5 vantagens de cursos online para quem trabalha com alimentos + BÔNUS

    continue lendo