Descomplicando as Boas Práticas de Fabricação – BPF

Se você quer saber o que são as Boas Prática de Fabricação (BPFs), como aplicá-las e quais são as legislações que envolvem e regulamentam essas práticas, este post foi feito para você!

Está sem tempo? Escute este áudio post e fique por dentro das boas práticas de fabricação (BPFs):

Você já deve ter acompanhado casos de fiscalização de alimentos. Lembra da operação “Hora do Lanche" que envolveu fornecedores de merenda escolar? E da operação “Pão na Chapa”, em que foram descartados quase 76 kg de produtos em padarias? Sem falar da “Carne Fraca”, que investigou adulterações em carnes e derivados. Tudo isso nos últimos 5 anos!

Você sabe o que todos esses casos têm em comum? Nessas operações é verificado o cumprimento das Boas Práticas de Fabricação , as quais são exigidas pela legislação.

A implementação das BPFs é fundamental para garantir a qualidade das operações internas da sua empresa e oferecer produtos seguros ao consumidor. Abrangendo desde os cuidados do inicio do projeto de instalações até a saúde dos funcionários.

Se você atua na cadeia produtiva de alimentos e ainda possui dúvidas a respeito das BPFs, não deixe de ler este post!

Neste post você vai ver:

Conferencia para recebimento de mercadorias e armazenamento

O que são as Boas Práticas de Fabricação?

As Boas Práticas de Fabricação englobam um conjunto de medidas que devem ser aplicadas em toda a cadeia produtiva de alimentos com o intuito de garantir a segurança sob o ponto de vista das condições de higiene.

Fazem parte das BPF, Checklists de verificação periódica, instruções de trabalho e procedimentos operacionais padrão (POPs). Sua implementação evita, por exemplo, a propagação de doenças que poderiam ser transmitidas pelos alimentos (DTAs).

Em linhas gerais, o conceito se baseia no controle do que é produzido e entregue aos clientes, sendo dividido em: instalações industriais; pessoal; operações; controle de pragas; controle da matéria-prima; registros e documentação; e rastreabilidade.

Se você está se perguntando se existem leis que exigem a implementação das Boas Práticas de Fabricação, a resposta é sim!

Ter as BPFs implementadas significa atender às seguintes legislações:

  • Portaria SVS/MS n° 326/97 se baseia nos “Princípios Gerais de Higiene dos Alimentos” do Codex Alimentarius, que estabelece os requisitos gerais das condições de higiene sob o ponto de vista sanitário e de Boas Práticas de Fabricação para produtores e indústrias de alimentos;
  • Resolução RDC n° 275/2002 ato normativo complementar à Portaria SVS/MS n° 326/97 e introduz o controle contínuo dos Manuais e o seu conteúdo, promovendo a harmonização das inspeções sanitárias;

Atenção: a ausência ou não adequação das Boas Práticas de Fabricação podem levar a consequências que vão desde advertências e multas até o cancelamento do alvará de licenciamento do estabelecimento.

 

Sabendo disso, a baixo iremos te explicar quais pontos você deve considerar para dar inicio ao desenvolvimento do seu manual de BPF, levando em consideração a realidade do seu estabelecimento

  1.  Responsabilidades: uma equipe dedicada à gestão da qualidade para garantir o cumprimento dos itens descritos no manual. Com a capacitação e comprometimento de todos, consolida-se a cultura de qualidade na empresa;

  2. Instalações e equipamentos: estabeleça padrões seguros de higiene e frequência de limpeza de acordo com o seu segmento;

  3. Manutenção preventiva e calibração de equipamentos: descreva as práticas de manutenção com o intuito de evitar falhas;

  4. Manejo dos Resíduos: defina a sistemática de separação entre resíduos recicláveis e orgânicos de acordo com a legislação aplicável à sua empresa;

  5. Controle de pragas: estabeleça medidas preventivas e corretivas para prevenir a atração, acesso e abrigo de pragas;

  6. Controle de água e energia: implemente controles para evitar a contaminação de produtos, incluindo análises de potabilidade da água, higienização da caixa d’água e instalação de luminárias com proteções contra quedas e explosões;

  7. Operação: tenha procedimentos detalhados para cada operação que possa interferir direta ou indiretamente na qualidade do produto final – recebimento, armazenamento, descongelamento, manipulação e distribuição;

  8. Seleção de matérias-primas, ingredientes e embalagens: saiba a procedência dos alimentos comercializados e avalie sua qualidade;

  9. Controle de qualidade: invista em métodos de produção e controle dos padrões de qualidade;

  10. Higiene pessoal e saúde dos colaboradores: instrua os colaboradores sobre frequência de higienização das mãos, uniformes e exames necessários;

  11. Rastreabilidade e recall: controle todas as etapas da sua cadeia de suprimentos, fornecendo informações fundamentais para análise e gestão de riscos.

POP Recall de Alimentos

Com essas informações você pode perceber que a implementação das Boas Práticas de Fabricação ajuda a manter seus atuais clientes e atrair novos. Com as BPFs bem implementadas, seu estabelecimento vai garantir a segurança do alimento, assim como, a qualidade final do seu produto.

Já dizia a lei da física: toda ação gera uma reação de igual intensidade. Nenhuma empresa está a salvo de ser trocada pelos clientes se não estiver preocupada com a qualidade das suas entregas.

Um dos principais motivos pelos quais os clientes trocam de empresa, é a má qualidade do produto ou do serviço. A não implementação das BPF pode acarretar justamente esta percepção: problemas com a qualidade!

Como consequência da falta de controle, ocorrem contaminações em produtos, gastos desnecessários com não conformidades e dificuldade de seguir orientações por parte dos colaboradores.

Tenha em mente, se você oferecer um produto seguro isso vai resultar na satisfação do cliente. Nunca deixe para depois a qualidade de produto que você pode alcançar hoje!

Análise de Perigos e Pontos Críticos de Controle

Vantagens de aplicar as Boas Práticas de Fabricação

Algumas empresas ainda não adotaram as BPFs ou não as atualizam de acordo com as mudanças da sua cadeia produtiva. Questione-se para saber se você está nesse cenário.

Qual garantia você oferece aos seus clientes em relação aos processos realizados? Você consegue descrever o papel de cada colaborador na sua empresa para assegurar a segurança do alimento?

A falta de informações sobre as vantagens que o programa traz é a principal razão para muitas empresas estarem nesse contexto.

Não faça parte desse grupo! Entenda como a implementação das BPF pode ajudar você:

  • Melhoria da imagem da empresa e competitividade no mercado: mostra que a empresa se preocupa com a segurança do alimento e toma medidas para a sua garantia;

  • Melhor controle de parâmetros de processo e produto final: o controle de qualidade é mais efetivo quando envolve as operações, como práticas de inspeções, desde a matéria-prima até o produto acabado;

  • Produto com melhor qualidade, constante e mais seguro: é assegurada a padronização da cadeia produtiva, resultando na garantia da segurança sanitária do produto, uniformidade e diminuição de carga devolvida;

  • Ambiente de trabalho mais limpo e seguro: garante a organização e bem-estar dos funcionários e previne contaminações dos seus produtos;

  • Aumento da vida útil do produto: a detecção de fatores que estejam afetando a duração dos produtos é mais assertiva;

  • Preservação da saúde dos funcionários: estabelece procedimentos de higiene fundamentais para a manipulação do alimento, como higienizar os recipientes e conservar os produtos, garantindo não somente a segurança do alimento mas também do funcionário;

  • Redução de custos: cria-se um controle de entrada e saída de produtos e insumos, evitando o desperdício de alimentos e dinheiro;

  • Atendimentos das leis vigentes: a Agência Nacional de Vigilância Sanitária (ANVISA) é responsável pela fiscalização e tem como base a legislação sanitária do governo federal. As BPFs podem ser utilizadas nas inspeções sanitárias para comunicação do início de fabricação de produto dispensado da obrigatoriedade de registro e solicitação de licença sanitária.

 

Por onde começar?

1. Faça um diagnóstico

Realizar um diagnóstico através de uma pré-auditoria com o uso de um checklist é essencial para levantar as condições higiênico-sanitárias do estabelecimento.

O diagnóstico contribui para uma melhor tomada de decisão e define o roteiro geral para a elaboração do Manual de Boas Práticas de Fabricação. Você terá uma visão clara, simples e precisa do que precisa ser realizado.

Como resultado da pré-auditoria, tem-se um relatório de não-conformidades e as ações corretivas que devem ser adotadas para adequar a empresa.

Com a análise em mãos você já pode iniciar o desenvolvimento do seu Manual de Boas Práticas de Fabricação.

2. Elabore o seu Manual de Boas Práticas de Fabricação

A estruturação do Manual de BPF deve ser realizada por profissionais especializados no controle de qualidade de alimentos. As ações corretivas são executadas com a empresa de acordo com as exigências da legislação.

Leia: Como elaborar um Manual de Boas Práticas de Fabricação?

 

Responsabilidade na cadeia produtiva de alimentos 

Todas as normas sanitárias que fazem parte das BPFs foram estabelecidas para que o consumidor tenha uma garantia do que está comprando e consumindo. Respeitar as normas é fundamental para que a empresa ofereça produtos seguros e de boa qualidade.

Garantir a segurança do alimento através do controle das condições de higiene de produtos e processos leva a satisfação não só dos consumidores, como também torna o trabalho dos colaboradores mais fácil.

As decisões que você toma são fundamentais para o seu reconhecimento no mercado e você já viu como é fácil produzir um produto seguro de forma mais eficiente que os seus concorrentes com a implementação das Boas Práticas.

Nesse contexto, o desafio de adotar as BPF será uma questão, não só de cumprimento da legislação, mas de fazer a diferença.

Curso Inspecione Qualidade-1

Automatize a gestão das Boas Práticas de Fabricação

Para a realização das BPFs é interessante que mantenha-se um checklist para verificar o bom funcionamento das mesmas. Mas para facilitar esse processo, você pode automatizar essa verificação por meio de softwares e ferramentas de checklist especializados na cadeia produtiva de alimentos, como o CLICQ.

O CLICQ é uma solução que automatiza a gestão de processos de qualidade que pode ajudar o seu negócio na implementação das Boas Práticas de Fabricação. Entenda mais da solução neste vídeo de um minuto:

 

Gostou da ferramenta de automação de checklist? Converse com um de nossos especialistas e tenha o controle das BPFs na sua empresa. É só preencher este formulário abaixo que entraremos em contato:

Qualquer dúvida estamos aqui! 💙💙

+Conteúdos