VOLUME DE FLV RASTREADO NO PROGRAMA RAMA CRESCEU 23,1% NO 1º SEMESTRE

O Programa de Rastreabilidade e Monitoramento de Alimentos (RAMA), da Associação Brasileira de Supermercados (ABRAS), apresentou crescimento de 23,1% no volume de frutas, verduras e legumes (FLV) rastreados no primeiro semestre de 2016 na comparação com o mesmo período do ano passado, de acordo com o Balanço RAMA apresentado hoje (29/9) em coletiva de imprensa, na sede da entidade, em São Paulo.

A PariPassu, empresa técnica parceira da ABRAS no programa RAMA, destacou que em 2015 foram rastreadas 1.006 milhão de toneladas de FLV e para 2016 a previsão é chegar a 1.089 milhão, um crescimento esperado de 8,3%. O programa monitora e rastreia no Brasil uma média mensal de 80 mil toneladas de frutas, legumes e verduras desde o ano de seu lançamento, em 2011.

“O Programa RAMA atinge uma média de 1 milhão de toneladas rastreadas por ano, o que para nós da ABRAS é motivo de muito orgulho, em especial pelos serviços que prestamos aos consumidores, apoiando a redução do consumo de agrotóxicos no País. Nosso objetivo é disseminar ainda mais esse programa para que mais empresas varejistas participem e melhorem continuamente a qualidade dos produtos oferecidos”, afirma Marcio Milan, superintendente da ABRAS, responsável pelo Programa RAMA.

O Programa RAMA conta com a parceria da Agência Nacional de Vigilância Sanitária (ANVISA) e o Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (MAPA).

Análise de resíduo

No primeiro semestre de 2016, o RAMA registrou um índice de conformidade da ordem de 73%, apresentando melhora em relação ao mesmo período do ano anterior, quando era de 66%. As inconformidades se relacionam ao Limite Máximo de Resíduos (LMR), ingredientes Não Autorizados (NA), uma combinação dos dois (LMR+NA) e os ingredientes Proibidos, seguindo nomenclatura utilizada pelo PARA, Programa de Análises de Resíduos em Alimentos, da ANVISA.

Apenas 3% dos resultados estão acima do LMR, segundo Giampaolo Buso, diretor comercial da Paripassu. “Neste cenário, o ingrediente ativo é correto para a cultura, mas houve alguma falha no respeito à carência ou à concentração do ingrediente ativo”, explica.

No RAMA, 21% das amostras resultaram em ingredientes ativos não autorizados para determinada cultura. São nesses casos que estão focadas as ações de orientação técnica para a adoção das boas práticas agrícolas.

“É importante destacar que boa parte dessas culturas, em que averiguamos esse uso de ingredientes ativos não autorizados, já estão sendo beneficiadas com a ampliação do suporte fitossanitário pelo governo”, diz Giampaolo Buso.

Nos casos em que o programa identifica ingredientes não autorizados (NA) e ingredientes acima do limite (LMR), é aplicada a Política de Correção do RAMA, com plano de ação que tem apoio dos parceiros (ANVISA e MAPA).

Adesões

O primeiro estado a implantar o RAMA foi Santa Catarina, com a parceria da Associação Catarinense de Supermercados (ACATS), que conta hoje com 22 supermercados atuantes. O segundo estado a implantar o RAMA foi o Rio Grande do Norte, com a parceria da Associação de Supermercados do Rio Grande do Norte (ASSURN), com trabalhos iniciados em 2012; e o terceiro estado foi Sergipe, com apoio da Associação Sergipana de Supermercados (ASES), que começou a implantação do RAMA em 2014.

Grandes empresas como Angeloni, Bistek e Giassi, maiores redes de Santa Catarina; G. Barbosa, do Cencosud, a maior do estado de Sergipe; e Nordestão, a maior do Rio Grande do Norte, capitanearam a ampliação dos programas em seus respectivos estados; mas foi a entrada do Carrefour, segundo maior empresa do setor no País (Ranking ABRAS 2016), no início de 2015, que deu abrangência nacional ao programa da ABRAS, marcando a adesão individual das empresas ao mesmo (antes a adesão ocorria somente por estado, capitaneadas pelas associações estaduais de supermercados).

Ainda em 2015 ocorreu a adesão da Coop – Cooperativa de Consumo, de São Paulo (15ª maior empresa pelo Ranking Abras 2016). Em maio de 2016, o programa ganhou mais duas importantes adesões, de redes de varejo especializadas em hortifrutigranjeiros: Hortifruti e Natural da Terra.

Números

O Programa RAMA, de abrangência nacional, conta hoje com a participação de 41varejistas (que representam mais de 22% das vendas total de FLV comercializados pelo setor no Brasil). São números muito significativos:

– 41 empresas (redes) varejistas participantes (até junho/2016).

– 3 associações estaduais atuantes: Associação Catarinense de Supermercados (ACATS), Associação Sergipana de Supermercados (ASES) e Associação dos Supermercados do Rio Grande do Norte (ASSURN); e uma em processo de avaliação, Associação Mineira de Supermercados (AMIS).

– 81 produtos monitorados (do total de 290 produtos rastreados), constantemente, sendo que o Programa PARA, da Anvisa, estabelece 25 itens para análise).

ABRAS

A Associação Brasileira de Supermercados (ABRAS) é a entidade representativa em âmbito nacional do varejo de autosserviço, setor responsável pela comercialização, no Brasil, de 83,7% de produtos alimentícios, de higiene, limpeza e congêneres. Com faturamento de R$ 315,8 bilhões (Ranking ABRAS 2016), o setor supermercadista no País representa 5,35% do PIB e gera mais de 1,85 milhão de empregos diretos, segundo a Relação Anual de Informações Sociais do Ministério do Trabalho e Emprego (RAIS). Trata-se da mais importante atividade econômica de comércio, com 84,5 mil lojas no Brasil, que recebem cerca de 25 milhões de consumidores todos os dias.

Fonte: Redação Portal ABRAS

Deixe um comentário