Melhores práticas para inspeção de qualidade em varejos

Leia mais: Como prevenir quebras e rupturas em estoques de supermercados?   
Se preferir, você também pode ouvir esse post e aprender sobre as melhores práticas para inspeção de qualidade em varejos, basta clicar no player abaixo.

A inspeção de qualidade em varejos serve para avaliar a qualidade dos produtos e processos, garantindo que os critérios qualitativos estabelecidos por normas, políticas internas e legislação sejam atendidos, esta prática contribui para a prevenção das quebras e rupturas, redução de devoluções, garantindo o faturamento esperado.

Inspecionar a qualidade deve ser uma rotina contínua inserida na cultura organizacional do varejo. As informações coletadas na inspeção de qualidade servem de base para análise de performance do supermercado e eficácia de gestão da qualidade.

Além disso, é possível associar a inspeção de qualidade à rastreabilidade do produto, permitindo que o varejo tenha controle total sobre a qualidade dos produtos recebidos por fornecedor, produto e período, informações essenciais para fazer a gestão de fornecedores e responder casos de recall.

Neste post elencamos as melhores práticas de inspeção de qualidade para você aplicar no seu varejo. Vamos lá!

Utilização de POP para inspeção de qualidade em varejos

O uso do procedimento operacional padrão (POP) para inspeção de qualidade em varejos tem como objetivo manter a padronização e excelência dos processos. É um documento que descreve detalhadamente todas as ações fundamentais para o melhor exercício das atividades. 

O POP é uma ferramenta que orienta o trabalho dos colaboradores sobre cada uma das tarefas e responsabilidades.

Ao elaborá-lo certifique-se de que a linguagem não seja muito complexa, é fundamental que todos os funcionários envolvidos na inspeção de qualidade possam entender claramente o que fazer e como realizar as demandas descritas no procedimento operacional padrão.

As informações especificadas no POP devem auxiliar os colaboradores a efetuarem as atividades passo-a-passo, por exemplo:

  • Título do procedimento – nome do procedimento;
  • Objetivo – motivo ou razão para fazer tal processo;
  • Documentos de referência – quais documentos poderão ser consultados por quem estiver realizando a inspeção;
  • Área de aplicação – setor do supermercado onde o POP será aplicado. Por  exemplo, neste contexto, o POP pode ser empregado na inspeção de qualidade de recebimento de produtos e recall de alimentos;
  • Siglas – siglas utilizadas no procedimento operacional padrão, deverão ser explicadas, por exemplo, FLV = Frutas, Legumes e Verduras, CD = Centro de Distribuição, NC = Não Conforme, SGQ = Sistema de Gestão da Qualidade;
  • Definições – detalhamento de cada etapa das atividades, executores e responsáveis;
  • Fluxograma – caso hajam ilustrações em forma de gráficos e símbolos geométricos referentes às atividades, um fluxograma deve ser incluídos no POP;
  • Monitoramento – o que será monitorado, como será este monitoramento, frequência do monitoramento e quem irá monitorar;
  • Ação corretiva –medidas tomadas para eliminar a origem de uma não conformidade;
  • Registros – apontamento da qualidade gerada pelas tarefas deste procedimento;
  • Gestor do POP e responsável – quem elaborou e quem será responsável pela execução do procedimento;

>> Baixe aqui nossos modelos prontos de POPs


Aplicação de fichas técnicas para inspeção de qualidade em varejos

O emprego de fichas técnicas nas inspeções de qualidade em varejos garante que os produtos sejam comercializados dentro dos parâmetros ideais de qualidade.

Por exemplo, a inspeção de qualidade no recebimento de uma carga de mamão será realizada a partir de um check list (questionário) e ficha técnica que permitem avaliar aspectos como a coloração, estágio de maturação, peso da embalagem e outros critérios.

As fichas técnicas para cada produto são ferramentas importantes para o varejo, porque possibilitam a padronização da qualidadeAs fichas técnicas para cada produto são ferramentas importantes para o varejo, porque possibilitam a padronização da qualidade dos produtos, reduzindo as devoluções e garantindo as vendas

Avaliação e acompanhamento dos fornecedores

Ter conhecimento sobre quem são os fornecedores e a qualidade de suas entregas são informações fundamentais para garantir o desempenho do varejo.

Segundo a ABRAS, o índice de perdas no faturamento líquido das lojas representa 2,26%, o equivalente a 7,14 bilhões de reais por ano.

Para fazer a avaliação e acompanhamento de fornecedores, o varejo também pode contar com o resultado da inspeção de qualidade do recebimento do produto, um indicador importante para fazer a avaliação e classificação de fornecedores porque estará baseado em critérios como:

  • A qualidade dos produtos está conforme?
  • Os produtos apresentam rastreabilidade?
  • A embalagem está conforme?
  • O prazo de entrega foi cumprido?
  • Os aspectos de armazenagem e transporte são adequados?

Nesta primeira tabela podemos observar a evolução das notas de inspeção de qualidade por fornecedor.

inspeção de qualidade em varejos
Figura: Exemplo do acompanhamento das notas de inspeções de qualidade de produto, disponível no aplicativo CLICQ da PariPassu.

Na segunda tabela temos o ranking de classificação:

inspeção de qualidade em varejosFigura: Exemplo de Ranking de Fornecedores, indicador de gestão disponível no aplicativo CLICQ da PariPassu.

 

Este acompanhamento permite identificar as potencialidades e fragilidades dos fornecedores, possibilitando qualificar e compreender quem são os seus melhores e piores fornecedores, fatores fundamentais para a prevenção de perdas.

Os procedimentos operacionais, as inspeções de qualidade, as fichas técnicas e avaliação de fornecedores são práticas que podem e devem ser adotadas por qualquer varejo, independente do tamanho da operação ou da base de fornecedores.

E aí gostou deste post? Então você também vai gostar de ler o post como fazer o gerenciamento de fornecedores no varejo.