O que é Amostragem de Solo e 4 passos para realizar na sua propriedade

Como produtor, você com certeza já ouviu falar sobre amostragem de solo, certo? 

Mas afinal, ela é de fato essencial para a produtividade da sua lavoura?

A resposta é: sim!

Sabe-se que as plantas utilizam dos nutrientes presentes no solo para seu desenvolvimento vegetativo e produtivo. Com o tempo, é comum haver uma baixa de nutrientes e alterações dos fatores químicos disponíveis, uma vez que há a absorção desses nutrientes.

Logo, precisa-se repor essa indisponibilidade de nutrientes e reequilibrar o solo.

E é a partir da amostragem de solo que é possível mensurar a fertilidade do solo e recomendar a reposição necessárias de nutrientes, tudo isso, para que haja um maior aproveitamento e produtividade da cultura.

Para entender o que é amostragem de solo e como realizá-la passo a passo, continue lendo este post.

Neste post você vai ver:

 

Esg no agro


O que é amostragem de solo

A amostragem de solo e posteriormente a sua análise é o procedimento que permitirá entender a necessidade do solo em reposição de nutrientes, assim como a capacidade dele em disponibilizar nutrientes para as culturas se desenvolverem.

Caso a adubação e calagem do solo sejam realizadas sem a recomendação adequada, poderá acarretar em baixa ou alta disponibilidade de nutrientes no solo, desperdícios, má absorção e desenvolvimentos das plantas, maior custo de produção, menor produtividade e consequentemente, menor lucratividade.


Representatividade da amostra

É importante lembrar que uma amostra é uma porção de solo que irá representar toda uma área produtiva. Para isso, há métodos a se seguir para que essa amostra, de fato, corresponda a toda realidade da área, caso contrário, o resultado analítico poderá não ser preciso.

Apesar da extrema importância como citado acima, a coleta de solo para amostragem é muito simples e essas dicas poderão ajudar!

Leia mais: O que é entressafra e como planejar sua cultura durante esse período.

 

Como realizar a amostragem de solo

Vamos separar a amostragem de solo em 04 passos:

1-  Separação das glebas

Para que a amostra represente totalmente a propriedade, recomenda-se dividir a unidade produtiva em glebas. Essas glebas não devem passar de 20 hectares e na sua divisão deve-se levar em consideração a topografia do local, textura e cor do solo, vegetação e manejos anteriores, como adubação e calagem.

Recomenda-se em média de 15 a 20 pontos de coletas por gleba para uma representação homogênea.

glebas

Como podemos ver no exemplo da imagem, as áreas A,B,C,D,E e F seriam as glebas dessa propriedade, onde seria necessário, de cada uma dessas áreas, fazer a coleta de 20 pontos (amostra simples) para assim, juntas esses 20 pontos formando uma amostra composta.


2- Ferramentas necessárias

Pá reta, enxadão e trados são recomendados para as coletas. Os trados tendem a tornar a coleta mais prática e rápida, além de retirar quantidades de solo na mesma porção e profundidade correta em todas as coletas.

Também será necessário balde e sacos plásticos para armazenamento da amostra.

Ferramentas necessárias

3- Como fazer a coleta da amostragem de solo

A coleta deve ser feita em pontos aleatórios em zigue-zague dentro de cada gleba. Antes da coleta, deve-se retirar com cuidado a vegetação e outros elementos presentes como galhos e pedras, sem que se retire a camada superficial e matéria orgânica.

A profundidade da coleta deve ser de 0-20 centímetros e após coletar o solo, deve-se colocá-lo em um balde junto com todas as amostras simples da gleba. 

Os torrões devem ser desfeitos e deve-se evitar ao máximo contaminações nas amostras. A junção e homogeneização de todas as amostras simples de uma gleba se tornará uma amostra composta e é a partir dessa que sairá a amostra para análise do solo. 

Importante saber que existem coletas que precisam de maior profundidade, ocorrendo de 20-40 e 40-60 centímetros, principalmente em culturas perenes e para áreas com suspeita de acidez do solo.

A amostragem do solo não deve ocorrer em períodos chuvosos ou sob estresse hídrico, assim como, não deve ocorrer após adubações e calagens, já que não trará informações verdadeiras sobre a fertilidade do solo.

As amostras compostas devem ser secas sob sombra e em locais ventilados.

 

4- Embalagem e identificação

Deve-se retirar 500 gramas de solo de cada amostra composta, colocá-la em saco plástico limpo e, novamente, cuidado com contaminações. Não se esqueça de identificar devidamente cada amostra composta de cada gleba, com, no mínimo: nome, tipo de material, profundidade coletada, gleba correspondente, data e análises solicitadas.

Após o resultado da análise do solo, procure por um profissional qualificado para que haja o cálculo correto de adubação e a calagem.

Com certeza o processo de amostragem do solo irá tornar a sua lavoura mais produtiva e seus investimentos de produção mais objetivos e assertivos.

Espero ter te ajudado com esse processo, nos vemos em um próximo post!

Guia Certificações Global G.A.P e Local G.A.P-2