Como converter a produção convencional em orgânica

Que tal experimentar o nosso conteúdo em áudio? Ouça este post na íntegra clicando no player abaixo!

Nunca se falou tanto em alimentação saudável e com menos intervenções químicas como na última década. O novo consumidor tem o hábito de ler os rótulos no supermercado, cozinha mais em casa e, quando frequenta restaurantes, avalia as opções mais saudáveis. 

O Brasil é o 4° colocado em consumo de alimentos saudáveis, segundo pesquisa realizada pela Euromonitor. Não é a toa que todos querem uma fatia desse lucro: as indústrias de refrigerantes, por exemplo, investem cada vez mais em produtos sem açúcar que se dizem menos prejudiciais.

Os movimentos do mercado atual são um prato cheio para a agricultura orgânica, que cresce em média 20% ao ano no Brasil. Em todo o mundo, os orgânicos movem cerca de U$ 85 bilhões e seu valor pode chegar a 50% acima do preço de produtos convencionais.

Você deve conhecer alguém que está em busca da conversão do sistema produtivo convencional para o orgânico. Questões como “quanto tempo leva para a conversão” ou “por onde começar” são bastante comuns, por isso fique atento: esse post vai lhe explicar tudo o que você precisa saber sobre a conversão da produção convencional em orgânica.

Produção Convencional x Produção Orgânica

A diferença mais comumente conhecida entre esses dois sistemas produtivos é a de que a produção orgânica não permite a utilização de agrotóxicos e fertilizantes químicos. Esse ponto, quando alinhado ao manejo adequado da produção, pode reduzir danos ao meio ambiente e gerar um alimento mais seguro e com menos resíduos. 

Não basta, entretanto, que o produtor apenas abandone a utilização de insumos químicos para que a sua produção seja considerada orgânica, existem outras diretrizes importantes que devem ser adotadas para diferenciá-los. 

Para bom entendedor meia tabela basta: para que você entenda de forma simples e objetiva as diferenças entre a produção convencional e orgânica, confira a tabela de comparação:

Já se foi o tempo em que o consumidor não se importava com o que era colocado à sua mesa. Existe um novo perfil no mercado que deseja produtos sustentáveis do ponto de vista ambiental e econômico.

Não é por acaso que os chefs mais renomados de cozinha têm optado por alimentos orgânicos para construir seus pratos: uma pesquisa realizada pela GfK para a Associação Paulista de Supermercados (APAS) mostra que 49% dos brasileiros consideram importante o uso de ingredientes orgânicos

Contra fatos não há argumentos: ainda que os alimentos orgânicos sejam em geral menores por não contarem com a contribuição de insumos químicos, podem possuir um valor nutritivo mais alto quando comparado aos convencionais, como você pode notar na tabela de comparação dos produtos maçã, tomate, cenoura e batata. 

Fonte: Associação Campden de Pesquisa em Alimentos e Bebidas, Grã-Bretanha (1990), citado na Revista Bioagricultura da Associação Italiana para a Agricultura Biológica, Maio/Junho de 1995 (Pesquisa feita com amostras ao acaso em supermercados e lojas de produtos naturais na Inglaterra). Obs.: g=grama; mg=miligrama; mg= micrograma.

No entanto, o alto valor agregado ao produto orgânico é justificado não somente devido ao sabor e valor nutritivo. Em linhas gerais, esses alimentos abrangem outros benefícios relevantes:

  • Potencializar os recursos internos da propriedade: Utilizam-se resíduos animais e vegetais, tornando o produtor menos dependente de insumos externos e contribuindo para a sua autonomia.
  • Melhor para o ecossistema: O impacto ambiental da produção orgânica, quando bem manejada, é menor, pois não utiliza químicos que afetam a microfauna do solo e que podem contaminar fontes de água.
  • Saúde para o trabalhador e consumidor: Os trabalhadores rurais ficam menos expostos à agentes nocivos à saúde, assim como os consumidores compram um alimento livre de resíduos de agrotóxicos.
  • Menor concorrência no mercado: O segmento ainda compreende apenas 1% do mercado brasileiro de alimentos, exibindo menor concorrência para uma demanda em crescimento.

Com essas informações você deve estar pensando em passar a produzir de forma orgânica o mais rápido possível, mas é preciso estar atento: as oportunidades do mercado não necessariamente significam que a produção orgânica seja a melhor opção para você e para o seu negócio.

Fazer a transição do sistema de produção convencional para o orgânico requer um bom planejamento para garantir que você esteja amparado tecnicamente já que, quanto maior a escala da sua produção, maiores os desafios para seguir as diretrizes exigidas.

Se você deseja produzir de forma orgânica e está preocupado em entender se esse sistema é ideal para você, está no caminho certo! A preparação para o processo de conversão é uma etapa crucial para que você atinja os seus objetivos.

Quero fazer a conversão da minha produção: por onde começo?

1. Plano de Manejo Orgânico (PMO)

O Plano de Manejo Orgânico (PMO) é o principal meio para a execução das atividades da produção orgânica de forma adequada, possibilitando o controle e melhoria das atividades do sistema produtivo. 

Através do PMO, você realiza o controle de custos da produção, acompanha a evolução do sistema produtivo e identifica possíveis melhorias. É nele que você vai registrar como a sua produção será manejada, por isso é importante mantê-lo atualizado de acordo com as melhorias executadas.

O objetivo é organizar o seu processo de conversão, incluindo um cronograma e definindo os processos e insumos utilizados em cada atividade. O Plano deve compreender:

  • Histórico de utilização da área de produção;
  • Manutenção e incremento da biodiversidade;
  • Manejo de resíduos;
  • Conservação do solo e da água;
  • Procedimentos para pós-produção: envase, armazenamento, processamento, transporte e comercialização;
  • Medidas para prevenção e mitigação de riscos de contaminação externa;
  • Procedimentos que contemplem as boas práticas de produção;
  • Ações que visem evitar contaminação interna e externa.

Se você nunca elaborou um Plano de Manejo Orgânico, não se preocupe! Preparamos um material para orientar na construção do seu PMO: baixe gratuitamente , realize o preenchimento e comece já o planejamento da sua produção orgânica!

como converter produção convencional em orgânico
como converter produção convencional em orgânico

2. Tempo para conversão

O período de conversão é o tempo mínimo necessário para que a sua produção seja considerada orgânica e depende da cultura da sua propriedade:

  • Mínimo de 12 meses de manejo orgânico para culturas anuais para que a produção do ciclo subsequente seja considerada orgânica; 
  • Mínimo de 18 meses de manejo orgânico para culturas perenes para que a próxima safra seja considerada orgânica;
  • Mínimo de 12 meses de manejo orgânico ou pousio no caso de pastagens perenes.

Vale destacar que o tempo de conversão pode ser estendido pela certificadora de acordo com a situação da produção, sendo que o período máximo é de 4 anos e são necessárias evidências para comprovar a transição, como acompanhamento de entidades (Emater) e consultores.

3. Registro de Manejos no Caderno de Campo

Para um acompanhamento adequado do processo de conversão é fundamental ter o controle das suas atividades de produção. Para tanto, o caderno de campo é a ferramenta utilizada para realizar a gestão da sua propriedade, desde o apontamento de manejos, até o controle de insumos e custos.

O intuito é garantir ao cliente que você está utilizando apenas insumos liberados para a produção orgânica e, após o período de conversão, ter o histórico de todo o seu processo para assegurar a confiabilidade do seu produto.

E você ainda pode simplificar esse trabalho: ao invés de realizar todas as anotações no papel e ficar fazendo contas manualmente, tudo pode ser feito na palma da sua mão em questão de minutos através do aplicativo Caderno de Campo.

Com o uso do aplicativo, as atividades agrícolas são planejadas e datas de início e término são definidas, o que possibilita com que você saiba tudo o que está ocorrendo no tempo certo. Além disso, seus funcionários também ficam a par do que é para fazer, como será feito e em que tempo precisam finalizar.

Mas se para você o Caderno de Campo ainda parece complicado, não deixe de solicitar uma demonstração grátis e entenda como a ferramenta é intuitiva e fácil de utilizar.

4. Principais aspectos para você levar em consideração:

A etapa de planejamento é essencial para que a conversão do sistema convencional para o orgânico ocorra de forma gradual e eficiente. Por isso, foque sua atenção em 5 aspectos fundamentais:

  1. Diagnóstico: a análise técnica e econômica tem como objetivo determinar as principais não conformidades da sua propriedade e avaliar os canais de comercialização. Feiras e restaurantes, por exemplo, são opções ideais para pequenos e médios produtores.
  2. Plano de Ação: Para que as mudanças ocorram de forma gradual, realizar um planejamento dos seus próximos passos é essencial. 
  3. Técnica e treinamento: Engloba o planejamento para equilibrar o sistema e, o aprendizado dos conceitos e técnicas de manejo utilizadas na produção orgânica por parte dos agricultores e funcionários.
  4. Instruções Normativas: Para que o seu produto possa receber o selo orgânico de qualidade, deve atender às legislações vigentes.
  5. Acompanhamento de profissional capacitado: o objetivo do acompanhamento é auxiliar o agricultor e sua família a atingir as metas propostas.

Se você precisa de um profissional capacitado para lhe acompanhar nesta etapa de conversão, saiba que estamos preparados para ajudar! Entre em contato e fale com um de nossos especialistas.

5. Certificação

Passadas as etapas de planejamento e conversão, certificar a sua empresa é essencial para garantir ao consumidor que o seu produto é de fato orgânico e conquistar uma posição de destaque no mercado.

Para quem está começando, alcançar a certificação pode ser um desafio. Por isso, preparamos um conteúdo para você entender quais são os primeiros passos para a certificação de produtos orgânicos.

Você pôde notar que os alimentos orgânicos são produzidos através de um modelo sustentável, segundo a legislação brasileira. O padrão de não utilizar agrotóxicos e fertilizantes químicos é respeitado pelos produtores que adotam esse sistema, não agredindo o solo e o meio ambiente quando manejados de forma correta.

O consumo de orgânicos tem sido mais do que um modismo, um estilo de vida. No Brasil, por exemplo, esse segmento já é um nicho em ascensão. Conhecer a agricultura orgânica é uma maneira de compreender para onde caminha o futuro da agricultura.

Deixar de produzir de forma convencional para a orgânica vai além de seguir o fluxo do mercado de alimentação saudável, significa promover mudanças positivas em toda a cadeia produtiva.

Se o seu objetivo é realizar a conversão da agricultura convencional para a orgânica, o mais importante é dar o primeiro passo! E não esqueça: o planejamento é fundamental para direcionar, alcançar as metas e levar a sua produção para uma posição de destaque.

como converter produção convencional em orgânico

Deixe o seu comentário

Artigos Relacionados

  • PariPassu

    Como aumentar a produtividade na Agricultura Orgânica?

    continue lendo
  • PariPassu

    Nota Fiscal Eletrônica será obrigatória também para produtores rurais

    continue lendo