fbpx

Últimas informações da safra do segundo semestre de 2020

Está sem tempo para ler? Não se preocupe! Preparamos um player para você escutar e ficar por dentro do assunto.

Um fator muito importante quando se pensa em agronegócio e produção de alimentos é o clima. Neste ano de 2020, esse fator reduziu a disponibilidade de produtos, em especial, por conta das secas que ocorreram em diversas regiões do Brasil. Continue lendo para ver as últimas informações da safra do segundo semestre de 2020 conforme o clima.

De acordo com a ABCM (Associação Brasileira de Citrus de Mesa), devido às altas temperaturas e dias secos, principalmente nos estados de São Paulo e Minas Gerais, a quebra de safra prevista é de 30%.

Além disso, essa instituição ainda ressalta que o consumidor final poderá notar que o desenvolvimento e maturação dos produtos estão inferiores ao ano anterior, o que se agrava quando combinado a uma redução de oferta.

Com isso, ocorre uma preocupação do setor em relação a safra 2020/2021, uma vez que esta estará seriamente comprometida.

Leia também

Case de sucesso: Por dentro da operação da Bananas Corrêa
Modelo de relatório de visita técnica para consultoria agrícola
PMO: Modelo de Plano de Manejo Orgânico
5 vantagens de cursos online para quem trabalha com alimentos + BÔNUS

O efeito do clima na produção de cada vegetal

Limão

Para a produção de limão, por exemplo, que é um cítrico de mesa, a situação é preocupante, já que existem problemas com a falta de qualidade devido à seca, o que acarretou em queimaduras e o murchamento precoce da fruta.

Abacate

Produtores de abacate da região do Sul de Minas Gerais e do interior de São Paulo, relataram que as perdas na produção deste fruto chegaram a 20%, por conta do período de secas prolongadas. Além disso, as altas temperaturas e a baixa umidade no ar continuam colocando em risco a próxima safra. Com o calor excessivo, o fruto sofre maturação antecipada, que se caracteriza pelo seu amarelamento e um dia após a colheita já se apresenta maduro. E ainda pode ocorrer a queima nos frutos por conta da insolação e um amolecimento do seu fruto por possível redução da absorção de cálcio.

Bananas

Na produção de bananas, o calor e a seca afetaram, principalmente, as regiões onde são produzidas as bananas nanicas. Assim como na cultura do Abacate, o calor excessivo promove a queima nos frutos e faz com que se tenha uma aceleração na maturação, sendo que um dia após a colheita, o fruto se mostra completamente maduro.

A atenção na cadeia de frio e o estágio de maturação do produto para a comercialização são de extrema necessidade. Um ponto de atenção relatado por produtores, é que as cargas onde não há um baú de refrigeração, a temperatura aumenta ainda mais e por consequência há mais perdas e diminuição de qualidade no momento da entrega.

Banana prata

Já para a banana prata, a tendência é que os preços fiquem acima do esperado no começo do próximo ano, por conta do fator clima. De acordo com a EMBRAPA (Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária), a bananeira é uma planta que precisa de alta umidade, por isso, a baixa umidade relativa do ar proporciona folhas mais duras e com vida mais curta.

Melancia

Produtores de melancia também estão sentindo o impacto das secas. De acordo com um produtor de São Paulo, a seca que está ocorrendo este ano jamais foi vista na região. Ele ainda menciona que se fez necessário um aumento no tempo de irrigação e que por esse motivo, houve um aumento no custo de produção. Segundo Wellington Moraes, RTV de Melancia na região de São Paulo e Mato Grosso do Sul, produtores de melancia que não possuem irrigação por gotejamento estão sofrendo com a seca, os resultados são grandes perdas no campo.

Abóbora Paulista

Segundo produtores de abóbora paulista, o calor intenso impossibilitou sua produção, uma vez que antes mesmo do momento de colheita, os produtos acabam morrendo. As altas temperaturas ainda influenciam na consistência do fruto, fazendo com que elas não tenham a firmeza necessária.

Maçã

Para o cultivo da maçã, estima-se que houve uma quebra na safra de aproximadamente 30%, de acordo com produtores da região de Santa Catarina e Rio Grande do Sul. Os principais pontos de atenção que levaram a prejuízos foram o peso e o calibre das frutas. Além disso, houve um impacto na qualidade visual do produto. A seca pode exigir a implantação de um sistema de irrigação, o que eleva muito o custo de produção da maçã.

Cebola

No Cerrado, principalmente em Minas Gerais e Goiás, o calor prejudicou a finalização da cebola, o que causou um adiantamento da colheita e um ressecamento da casca do bulbo, ocorrendo assim uma redução na qualidade.

Batatas

A seca poderá também impactar em até 30% a safra da produção de batatas no Brasil. O número é um alerta para enfrentar esse período de alta instabilidade do clima. Os principais prejuízos encontrados pelos produtores neste ano, foram a redução na qualidade da produção, refletidas principalmente no tamanho e no formato das batatas e um aumento das doenças na lavoura.

Estimativa de chuvas para novembro de 2020

Para o mês de novembro, de acordo com o boletim informativo do Agroclima PRO BASF, estima-se que as chuvas terão uma redução significativa em todos os estados da região Sul do país, chegando próximo de 100 mm a menos que o normal. Fato que também ocorre para o estado de São Paulo e noroeste de Minas Gerais. Já para a região Centro Oeste, espera-se um volume de chuva maior que a média nos estados do Mato Grosso e de Goiás, cerca de 10 a 50 mm. Para a região MATOPIBA, é esperado um aumento no Tocantins, oeste da Bahia, sul do Maranhão e sul do Piauí.

Precisa de ajuda para otimizar seus processos com rastreabilidade e gestão agrícola? Conheça nossas soluções! Clique aqui e fale conosco.

Deixe o seu comentário

[fbcomments]

Artigos Relacionados

  • PariPassu

    5 vantagens de cursos online para quem trabalha com alimentos + BÔNUS

    continue lendo
  • PariPassu

    Black Friday no varejo: 8 dicas para vender ainda mais no seu supermercado!

    continue lendo